Evangelização e Entretenimento para Jovens Cristãos e Não Cristãos.

“Quero fazer a diferença” diz criminoso que se converteu na prisão e passa a ajudar viciados.

Durante seu primeiro dia na prisão, um jovem lhe perguntou como ele poderia ser salvo. (Foto: Reprodução).

Aos 8 anos, Michael Hiser era um péssimo aluno, faltava aulas, bebia álcool e fumava maconha. Criado por uma mãe solteira que trabalhava 16 horas por dia, ele não tinha limites quando o assunto era aprontar em Louisville, Kentucky (EUA). Seus professores o chamavam de “estúpido” e “preguiçoso”, sem perceber que ele lutava contra dislexia não diagnosticada.

Aos 13 anos, um homem fez amizade com ele e o molestou. Culpando-se por ser muito fraco para resistir, ele passou a fazer uso de drogas mais fortes para entorpecer sua dor. Michael deu de cara com seu futuro quando encontrou um garoto sem-teto chamado Chuck, que se mudou com Michael e sua mãe. Ele e Chuck continuaram bebendo, consumindo drogas, e roubando para continuar bebendo e consumindo drogas.

Eles passaram cerca de 20 anos indo e voltando da prisão por várias acusações. Em um período de cinco meses, Michael acumulou 53 crimes. “Eu não era bom em ser um criminoso. Fui pego demais”, disse. Certa tarde, a polícia apanhou Michael por vender drogas em um clube de striptease. Eles o arrastaram para um campo e bateram nele, quebrando parte de seu crânio e fazendo com que ele apagasse. Depois de 16 horas de cirurgia “para colocar minha cabeça de volta”, Michael acordou na prisão cinco dias depois. Ele deveria passar 85 anos na atrás das grades.

Contato com a Bíblia

Desde que a prisão permitiu que os presos tivessem apenas um livro – a Bíblia – Michael pediu a sua mãe lhe enviasse uma. Usando um lápis improvisado, Michael copiava as palavras de Provérbios dez horas por dia. Ele fez isso por oito meses, enquanto aguardava julgamento. Mas, ele fez para passar o tempo, não para entender as Escrituras. Apesar disso, as pessoas começaram a chamá-lo de “pregador”, um apelido que ele desprezava por sua associação com televangelistas.

Antes do início do julgamento, Michael fez um acordo que reduziu seu tempo de prisão para 15 anos. Foi um dos momentos mais sombrios de sua vida. Mas, sem que ele soubesse, Deus o estava usando.

Na prisão

Durante seu primeiro dia na prisão, um jovem lhe perguntou como ele poderia ser salvo. O “pregador” não tinha ideia do que dizer.  Foi aí que um voluntário do ministério da prisão aproximou-se deles, citando Efésios 2: 8-9: “Porque pela graça sois salvos pela fé – e isto não vem de vós mesmos, é dom de Deus”. Michael se sentiu sem esperança. “Deus, o que o Senhor fez por esse garoto, faça por mim”, ele orou. “Eu não quero mais viver assim, mesmo que nunca saia”.

Então, as coisas começaram a mudar naquele momento. Michael não tinha mais gosto pelas coisas ruins que fazia. Sua Bíblia ganhou vida, e ele desejou lê-la. Ele ofereceu estudos bíblicos a seus companheiros e compartilhou o Evangelho. Quando uma velha acusação surgiu e ameaçou prolongar sua pena de prisão.

Depois da prisão

Depois de cumprir quatro anos em sua sentença de 15 anos, Michael foi para a condicional, pois foi liberto pelo seu bom comportamento. Ele precisava desesperadamente de um emprego – não apenas para sustentar a si mesmo e sua família, mas também para evitar voltar a seus velhos hábitos. A falta de emprego é uma das principais razões por que 66% dos ex-infratores são presos novamente, 50% são condenados de novo e 20% voltam para a prisão dentro de três anos. É difícil construir uma vida sem emprego.

“Ninguém quer contratar um cara com 25 anos de crimes”. Mas, agora que ele era um cristão, desejava agradar a Deus e não enganar os homens. Michael teve inúmeras dificuldades para ser empregado. “Se eu pudesse apenas ter uma entrevista, eu poderia explicar como eu mudei”, disse.

Transformação social

No mês passado, Michael estava presente quando o governador de Kentucky, Matt Bevin, assinou uma ordem executiva para “banir a caixa” de pedidos de emprego estatais. A política visa ajudar os 18 mil homens e mulheres em Kentucky que saem da prisão todos os anos, impedindo os empregadores do estado de perguntar sobre história criminal até mais tarde no processo de candidatura.

Michael finalmente conseguiu um emprego  e voltou a ser estudante de uma faculdade técnica, permitindo-lhe pagar o aluguel. Quando o gerente da propriedade de seu prédio de apartamento notou que ele voluntariamente limpava as terras todos os dias, ele ofereceu a Michael um papel de gerenciamento em troca de aluguel com desconto. Depois de comprar um caminhão, Michael usou-o para pegar sucata em seus dias de folga. “Geralmente tenho vários empregos”, diz ele. “Eles não pagam criminosos muito bem”.

Hoje, 10 anos depois de deixar a prisão, Michael ainda tem vários empregos. Ele é um terapeuta familiar em sua própria clínica e trabalha em uma instituição de tratamento medicamente assistida que ajuda viciados em heroína e outras substâncias. Ele também é voluntário ajudando ex-infratores a se juntar à sociedade, e construir um centro para desabrigados em sua região. “Eu quero fazer a diferença e melhorar minha comunidade para que meu neto tenha um lugar decente – não tentado pelas drogas e álcool, mas cativado pelo amor e misericórdia de Deus para todas as pessoas, não importa o seu passado”, finalizou.

FONTE: GUIAME,gospelcoalition.

Compartilhe:

Artigos Relacionados: