Evangelização e Entretenimento para Jovens Cristãos e Não Cristãos.

“Deus está derrubando muros entre grupos evangélicos na Ucrânia”

O que a guerra, uma ordem presidencial e uma visão de um ministério centrado no Evangelho têm em comum? Essas são todas as coisas que Deus está usando na Ucrânia para derrubar muros entre grupos evangélicos e unificar a igreja para o avanço do reino. A paisagem evangélica no país da Europa Oriental foi em grande parte fragmentada e sectária durante grande parte do período pós-soviético. Foi o que escreveu Benjamin Morrison, plantador de igrejas e pastor da Calvary Chapel Svitlovodsk, na Ucrânia em seu artigo para o The Gospel Coalition.

A confiança entre denominações e movimentos era baixa na época. Sob o domínio soviético, todas as igrejas evangélicas foram agrupadas artificialmente sob um rótulo (Batista). No entanto, uma vez que o estado moderno da Ucrânia declarou a independência da União Soviética, a liberdade religiosa seguiu, e qualquer grupo religioso poderia tornar-se legalmente uma entidade reconhecida separadamente.

Embora tal liberdade de consciência fosse sem dúvida uma coisa boa, a fragmentação da relação entre as igrejas foi uma consequência infeliz. No entanto, novos desenvolvimentos políticos ajudaram as igrejas a encontrar uma causa comum. No final de 2013, o presidente da Ucrânia tentou esmagar a liberdade de expressão, mas os ucranianos se levantaram em um protesto em massa denominado “Revolution of Dignity”.

A igreja da Ucrânia manteve-se desunida até a “Orange Revolution” em 2004 e 2005. Depois disso, muitos cristãos se juntaram. Igrejas de todas as denominações chegaram à praça principal de Kiev para orar pelos presentes e ser uma voz profética para a justiça diante da opressão. Algumas igrejas ainda estavam em conflito sobre seu papel na sociedade, mas, como um todo, os cristãos pediram justiça.

A “Orange Revolution”, ou a Revolução Laranja foi uma série de protestos e eventos políticos, ocorridos entre 2004 e 2005, que tomou diversos lugares de toda a Ucrânia, em resposta às alegações maciças de corrupção, intimidação por votos e fraude eleitoral direta, durante a eleição presidencial ucraniana de 2004.

Quando o presidente da Ucrânia fugiu do país no início de 2014, Vladimir Putin decidiu atacar. Neste ponto, a maioria das igrejas ainda estavam confusas na praça pública. Diante de uma séria ameaça militar à Ucrânia, as igrejas evangélicas começaram a cooperar de novas maneiras.

Embora seja apenas uma pequena parte da população – geralmente estimada em 2% a 3% – a igreja evangélica na Ucrânia tornou-se uma força motriz para servir os refugiados internos (algumas estimativas dizem cerca de 2 milhões). Uma capelania voluntária foi formada para ministrar aos soldados que lutam pelo seu país.

A igreja evangélica ucraniana intensificou-se para enfrentar os desafios do momento, e vários grupos dentro da igreja se aproximaram como resultado. Consequentemente, a percepção pública em relação à igreja evangélica está melhorando. Em vez de vê-la como uma seita isolada, as pessoas estão vendo a igreja como um grupo buscando ativamente o bem do país

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO THE GOSPEL COALITION

Compartilhe:

Artigos Relacionados: